terça-feira, 30 de junho de 2015

V Conferência Municipal de Saúde de Nossa Riacho de Santana

A Prefeitura Municipal de Nossa Riacho de Santana em parceria com a Secretária Municipal de Saúde e o Conselho Municipal de Saúde realizou hoje (30) na Escola Municipal João Bernardino de Lima a V Conferência Municipal de Saúde. O evento teve como tema principal: “Saúde Pública de qualidade para cuidar bem das pessoas. Direito do povo brasileiro” e teve como conferencista, a Enfermeira e Doutora em Ciências da Saúde, Eliana Barreto Fixina. O ponto alto da conferência se deu com a divisão dos grupos e a elaboração das propostas para melhoria na área da saúde. Pra encerrar houve a votação dos 4 delegados que irão representar o nosso município na Conferencia Estadual de Saúde.














segunda-feira, 29 de junho de 2015

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Encerramento da Festa de São João Batista 2015 em Nossa Riacho de Santana


















Campanha de vacinação contra a gripe foi encerrada; na 6a Região de Saúde, apenas 19 municípios cumpriram a meta e Nossa Riacho de Santana está entre eles

A Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza, que tinha sido prorrogada, encerrou na última sexta-feira (19) em todo o país. No Rio Grande do Norte, um total de 510.173 pessoas foram vacinadas, o que representa 76,53% do público-alvo.

A 6ª Região de Saúde, que é composta por 37 municípios do Alto Oeste potiguar, no cômputo geral, de acordo com relatório emitido nesta segunda-feira, 22 de junho, embora não tenha atingido a meta estabelecida pelo MS, alcançou média de 78,06%; um índice superior ao do Estado.

O município do Venha Ver aparece em primeiro lugar na lista com 100% de cobertura. Já Marcelino Vieira é o pior do ranking, com apenas 57,3%.

Dos 37 municípios altooestanos, apenas 19 atingiram a meta pré-estabelecida pelo Ministério da Saúde: 80%.

São eles: Água Nova (84,51%); Almino Afonso (88,14%); Coronel João Pessoa (86,62%); Doutor Severiano (80,77%); Frutuoso Gomes (92,92%); João Dias (82,41%); José da Penha (95,57%); Lucrécia (94,79%); Luís Gomes (83,92%); Olho D´água do Borges (81,99%); Paraná (98,22%); Pilões (80,78%); Portalegre (84,62%); Riacho de Santana (88,02%); Rodolfo Fernandes (96,53%); Severiano Melo (99,68%); Umarizal (89,76%), Venha Ver (100,95%) e Viçosa (94,12%).


O público alvo desta campanha era composto por idosos com 60 anos ou mais de idade, os trabalhadores de saúde, os povos indígenas, as crianças na faixa etária de seis meses a menores de cinco anos de idade (quatro anos, 11 meses e 29 dias), as gestantes, as puérperas (até 45 dias após o parto), os grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, a população privada de liberdade e os funcionários do sistema prisional.

VIURSAP

RN enfrenta pior seca dos últimos 100 anos, diz Emparn

Dos 167 municípios do Rio Grande do Norte 153 estão em estado de calamidade pública por causa da seca. Vinte cidades estão passando por rodízio no abastecimento de água e nove estão em colapso - com o abastecimento completamente suspenso por parte da Companhia de Águas Esgotos do Rio Grande do Norte. De acordo com a Empresa de Pesquisa Agropecuária (Emparn), o atual período de seca é o pior no RN desde 1911 quando a instituição começou o monitoramento pluviométrico no estado.

“Esse período de seca começou em 2012. De lá pra cá a chuva não foi suficiente para recuperar o nível dos reservatórios”, explicou o meteorologista Gilmar Bistrot. Segundo ele, a média de chuva para o RN é de 700 milímetros por ano. Em 2012, choveu 300 mm – menos de 50% da média. Em 2013, choveu 600 mm. No ano seguinte, 500 mm.  Em 2015, choveu em média 400 mm no interior do estado e o período chuvoso já acabou. “Em todos esses anos o índice de chuvas ficou abaixo da média. A consequência maior que se observa é a condição de reserva hídrica que se exauriu rapidamente”, disse Gilmar Bistrot.

Na última semana, o governo do estado instituiu um gabinete de gestão integrada de recursos hídricos para garantir a continuidade do abastecimento nas áreas mais afetadas pela estiagem. Na primeira reunião do comitê realizada no dia 18 de junho o secretário estadual de Recursos Hídricos afirmou que a prioridade no momento é garantir o abastecimento humano. “Infelizmente alguns sistemas de irrigação já foram restritos só para a noite, mas é porque nesse momento nossa prioridade é o consumo humano".

O nível dos reservatórios do estado é preocupante. A barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior reservatório do estado, tem capacidade para 2,4 bilhões de metros cúbicos e está com apenas 681 mil metros cúbicos de água, o que representa 28,38% da capacidade total. Uma resolução da conjunta da Agência Nacional de Águas (ANA) com o Instituto de Gestão de Águas do RN (Igarn) fixou a data de 1º de julho para que seja suspenso o uso da água da bacia Piranhas-Açu para fins de irrigação. A resolução foi publicada na última sexta-feira (19) no Diário Oficial da União e tem como objetivo garantir o abastecimento humano e a preservação dos mananciais.

Para o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do RN, José Álvares Vieira, a situação é “desesperadora”. “Nós saímos do patamar de preocupação e entramos no patamar do desespero. É muito fácil dar uma canetada proibindo a retirada de água para irrigação, mas ninguém se preocupa com a situação do produtor. Claro que soluções para a garantia de água são importantes, mas também é preciso salvar os produtores rurais”, disse.

g1RN